7 pensamentos que podem destruir seu negócio

Você abriu a sua pequena empresa e tem plena consciência do que é preciso ser feito para que ela prospere. Mas será mesmo que você está pensando da forma correta? Na prática, muitos dos conceitos que são propagados hoje podem virar armadilhas e levar seu negócio à falência.

É preciso tomar muito cuidado antes de decidir o que será feito em sua pequena empresa. “Muitas vezes o empreendedor se depara com ideias pré-concebidas e tem dificuldade de perceber que aquilo é uma grande bobagem. Isso porque elas acabam se tornando uma verdade absoluta”, explica Marcos Hashimoto, professor de empreendedorismo no curso de Administração da ESPM.

Esses pensamentos podem ser divididos em modelos mentais enraizados e em desconhecimento dos empresários. “O primeiro faz parte dessa verdade absoluta que não tem fundamento, mas que é difundida há tempos. Já o segundo vem da falta de preparo do empreendedor ao abrir seu negócio”, avalia Edison Kalaf, professor da Business School São Paulo. Assim, é preciso que você perceba quando esses pensamentos pairam sobre sua empresa para não cair em nenhuma armadilha que pode matar seu negócio.

1. Plano de negócio não faz diferença

O uso ou não de um plano de negócios costuma causar polêmica. A maioria dos especialistas concorda que este documento ainda é bastante importante para empresas de setores tradicionais, mas pode atrasar o desenvolvimento de startups de tecnologia, por exemplo.

O plano de negócio, no entanto, não deixa de ser um guia importante para empreendedores. “O plano serve não apenas para nortear seu caminho, mas também para que você tenha uma visão crítica sobre a empresa, mesmo que você não siga passo a passo o que está escrito ali”, diz Aloísio Buoro, professor de gestão estratégica do Insper.

2. Vale gastar o que for pela empresa

É claro que quando você vai abrir um negócio busca tudo o que é considerado top de linha para a empresa. Mas de fato isso é necessário? “Não é nada bom criar uma estrutura com o custo fixo muito alto quando não há necessidade para isso. Por exemplo, para que é preciso ter um escritório com os melhores produtos do mercado se esse lugar nem será usado? O melhor mesmo é ter um modelo mental voltado para o custo baixo, ou seja, você pode pensar muito grande, mas deve começar muito pequeno para que tudo siga no caminho certo”, recomenda Kalaf.

Para fazer uma boa gestão, aliás, preste atenção em regras simples, mas que muitas vezes são esquecidas e fazem com que a empresa entre em um buraco. “Não misture as contas do seu negócio com as suas contas pessoais. A empresa pode até estar dando lucro, mas com essa atitude você pode acabar fazendo com que as despesas sejam incalculáveis”, recomenda Kalaf.

3. Bons profissionais só querem grandes empresas

Por mais que a sua empresa seja pequena, pode haver pessoas bastante capacitadas que queiram fazer parte da sua equipe. Por isso, não se contente em fazer contratações medíocres, pois isso pode gerar um revezamento grande de funcionários, o que também não é saudável para a empresa.

“Não tenha medo de concorrer com as grandes empresas na hora do recrutamento. Nem todas as pessoas querem apenas altos salários. Têm aqueles que, se recebem um salário compatível com a sua função, prezam mais pela qualidade de vida e pelo plano de carreira. Afinal, a empresa pode ser pequena hoje, mas o plano é sempre crescer”, aponta Hashimoto.

4. Experiência no setor não faz falta

Não pense que só porque você teve uma ótima ideia a sua empresa vai ser um sucesso. É preciso que você saiba a fundo sobre o assunto com o qual vai trabalhar. “É um erro muito comum pessoas abrirem empresas sem saberem ao certo o que elas vendem. Não adianta apenas você ter um plano de negócio muito bonito. Você precisa saber tudo sobre ele. Se você quer abrir um restaurante, mas não tem qualquer experiência no assunto, invista primeiro em uma franquia, para ter o respaldo do franqueador, e depois parta para a sua ideia. Isso vai fazer com que você ganhe tempo e dinheiro”, ensina Kalaf.

5. O negócio vai faturar mais no próximo mês

Há uma regra básica na hora de abrir uma empresa: além do dinheiro que você dispõe para a abertura do negócio, é preciso também que você tenha renda suficiente para investir e manter a marca, além de saber exatamente até quanto você pode perder. “Ter fluxo de caixa é essencial. Às vezes a pessoa acredita tanto no negócio que não percebe que o seu prejuízo está sendo maior do que o esperado. Não adianta apenas confiar que o mês que vem será melhor. É preciso ter números para se basear”, diz Buoro.

6. O dono deve controlar tudo

Concentrar muitas tarefas faz sua empresa perder em inovação e agilidade. Para crescer, o empresário precisa aprender a delegar tarefas e distribuir responsabilidades. “Não adianta pensar que você pode resolver tudo e que o que você sabe é suficiente para a empresa crescer. Apesar de a experiência ser um excelente indicador, é sempre bom ter outras pessoas para ajudar no desenvolvimento do seu negócio. É preciso ter opiniões diferentes para que a empresa possa evoluir”, aponta Buoro.

Enxergar adiante é importante para poder dar um salto no desenvolvimento do negócio. “Muitas vezes, o máximo de futuro que o empreendedor enxerga é o mês que vem, pois ele precisa sobreviver. Mas quando o negócio deslancha é preciso mudar essa visão e começar a delegar tarefas. Saiba que às vezes é preciso perder dinheiro para ganhar lá na frente”, avalia Hashimoto.

7. Sei o que o cliente quer

Se não bastasse querer controlar tudo na operação do negócio, o empreendedor tem mania de controlar o consumidor. Muitas vezes, a paixão pelo negócio confunde o dono da empresa. “Certas vezes, aquela maneira de estruturar o negócio, que você achava um sucesso, não é a forma como o cliente ou o mercado enxergam a sua empresa. Por isso, mais uma vez é preciso tomar cuidado com as diferentes áreas que uma mesma empresa deve ter. Não pense que você sabe fazer tudo certo e da melhor forma”, diz Buoro.

Fonte: Fenacon