Crescer deve emprestar R$ 3 bilhões até 2013

O Crescer – Programa Nacional de Microcrédito, do governo federal, pretende emprestar R$ 3 bilhões até o fim do ano que vem. A meta do governo, que lançou o programa em agosto de 2011, inclui realizar 2,5 milhões de novas operações neste período. Até o momento foi realizado cerca de 1 milhão de operações pelos quatro bancos públicos que operam o Crescer – Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia.

A meta foi apresentada pelo analista da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Lucas Matias, a representantes das quatro instituições financeiras na tarde desta terça-feira (03), durante evento promovido pelo Sebrae. O Encontro Nacional de Inclusão Produtiva, realizado pela instituição, em Brasília, se encerra na quinta-feira (05). O evento reúne cerca de 600 colaboradores e agentes de orientação empresarial do Sebrae. “O objetivo é apresentar a estratégia que está sendo implementada pela instituição no contexto da inclusão produtiva”, define o gerente de Acesso a Mercados e Serviços Financeiros do Sebrae, Paulo Alvim.

A instituição e os bancos têm ações complementares e sinérgicas de apoio às micro e pequenas empresas (MPE), segundo o diretor-técnico do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos. “Nós aproximamos oferta e demanda, levamos os clientes aos bancos, inclusive, com as garantias para as operações”, afirma. O Sebrae também ajuda os empreendedores na tomada de decisão sobre o empréstimo e na aplicação do recurso. “Ajudamos o empreendedor a analisar se, dentro de uma gestão financeira adequada, o acesso ao endividamento pode ser bom para o negócio. Se o empreendedor não tem uma boa gestão financeira e estratégica, não tem crédito que resolva”, afirma o diretor.

O Crescer é um programa de microcrédito direcionado para as necessidades financeiras de pessoas físicas e jurídicas em atividades produtivas de pequeno porte. A diferença em relação a outras linhas é o relacionamento direto dos bancos com os empreendedores. Mesmo após a concessão do empréstimo, o tomador continua a receber orientação para utilização do recurso. O objetivo do programa é promover a inclusão financeira por meio da massificação do microcrédito no país.

O programa atende a empreendedores individuais (EI), microempresas que faturam até R$ 120 mil por ano e empreendedores informais. Os valores do crédito variam de R$ 100 a R$ 15 mil para capital de giro e investimento. Os prazos são negociados entre os tomadores e as instituições financeiras conforme a capacidade de pagamento do empreendedor. As taxas de juros giram em torno de 8% ao ano.

Fonte: Sebrae